Verdadeiro símbolo urbano da qualidade e do requinte, há, em Lisboa, um pequeno paraíso residencial. Em perfeita harmonia com o Rio Tejo e com o Restelo, o Villa Torrinha é um novo condomínio fechado onde os verdes pacíficos dos jardins privados brincam com as vibrações cosmopolitas de uma cidade inebriante.

Envolvido na acalmia do Rio Tejo e imiscuído na beleza histórica de Lisboa, há um novo empreendimento no Restelo que vibra ao ritmo da cidade, mas respira os ares da tranquilidade e do repouso. No centro de tudo e isolado o suficiente, oferece o melhor de dois mundos. O Villa Torrinha encontra-se numa das zonas mais nobres da cidade e abraça embaixadas, jardins, a Torre de Belém, a Marina, a Fundação Champalimaud, o Centro Cultural de Belém e o Mosteiro dos Jerónimos. Cercado por todas as comodidades, este condomínio privado está no epicentro da história, da arte e da cultura, naquela que é uma das zonas de maior influência da capital. A seu favor tem ainda as acessibilidades, com bons e rápidos acessos que o posicionam a apenas a alguns minutos do centro de Lisboa e da linha do Estoril, permitindo-lhe usufruir de todas as vantagens de morar no Restelo.
É ali, na Rua de Pedrouços, onde em tempos se veranearam os mais nobres Duques e as belas Duquesas, que nasce um condomínio privado pleno de requinte, qualidade e conforto. Projectada por Frederico Valsassina, arquitecto sobejamente conhecido e premiado por inúmeros trabalhos realizados em Portugal e no estrangeiro, a Villa Torrinha combina as melhores soluções de design e os mais modernos materiais e técnicas de construção. O edifício, de espírito cosmopolita, dá continuidade à logica existente no quarteirão e integra-se, em perfeita harmonia, nos espaços existentes, criando um diálogo único entre o novo e o antigo.

CAM-04_61De arquitectura sublime, o empreendimento de três pisos dispõe de uma ampla piscina e de um magnífico jardim. Nos níveis superiores, encontram-se 16 apartamentos de áreas amplas e com varandas generosas, que convidam a fins de tarde sob as luzes e vistas de Lisboa. No entanto, o pináculo da exclusividade reside no piso térreo, onde existem 7 “Casas do Jardim” de alto padrão. Disponíveis em tipologias T1+1 a T4+1, destacam-se pelos seus jardins de uso privado, que aliam a descontração verdejante e o isolamento aos benefícios e segurança de estar num condomínio fechado.

As residências dispõem de áreas de utilização privativa que variam entre os cerca de 100 m2 e os mais de 500 m2, sendo que, neste caso, cerca de 265 m2 são de área interior e os restantes de jardim. Com possibilidade de integrarem até quatro lugares de estacionamento, em comum, todas as habitações têm o design funcional, o aproveitamento dos espaços, a luminosidade e a qualidade dos materiais. Aqui, tudo foi pensado para criar um ambiente único e o máximo conforto.

Entre as principais características, sobressaem o recurso a materiais nobres – como os pavimentos em madeira tipo Riga com isolamento acústico ou os armários, rodapés e portas em MDF lacado a branco – e a equipamentos de marcas reconhecidas. Deste grupo fazem parte os electrodomésticos encastrados da marca Bosch, as loiças de casa de banho Sanindusa e as torneiras Bruma. Depois, há um conjunto de elementos que reforçam a exclusividade do ambiente, tais como o aquecimento de águas por painéis solares, os estores eléctricos, a caixilharia em alumínio com vidro duplo e corte térmico, as janelas de correr ou oscilobatentes, o ar-condicionado e a área dedicada de tratamento de roupa.

De elevado padrão, os acabamentos condizem com a harmonia e exclusividade de todo o empreendimento, que, apesar de ter a conclusão prevista para 2017, já está no mercado comercial.

Texto deRaquel Soares
PARTILHAR
A Turbilhão é uma revista semestral, especializada na área da Alta Relojoaria e do Luxo.